sexta-feira, 17 de outubro de 2014

POLÍCIA: Operação da Polícia Militar prende assaltantes em Ouricuri


Dois assaltantes foram presos nesta quinta-feira (16) em Ouricuri. De acordo com a Polícia Militar, a dupla havia cometido um assalto em um posto de gasolina localizado às margens da BR-316 na cidade. Além disso, eles também são suspeitos de cometerem outros crimes.

Segundo a PM, os criminosos chegaram ao posto de gasolina nesta quinta-feira em uma moto de cor preta. O homem que vinha na garupa desceu com uma arma e anunciou o assalto. Eles levaram R$ 104,00 e dois aparelhos celulares dos frentistas.

A prisão dos assaltantes foi feita pela operação conjunto de diversos núcleos da Polícia Militar. Com um dos criminosos foi encontrado um revólver de calibre 38 e cinco munições, sendo três intactas e duas deflagradas. Além disso, foi apreendida uma pequena quantidade de maconha. Com o outro envolvido, estava de posse da motocicleta utilizada no assalto, além de R$ 1.480,00 em espécie e quatro celulares.

Os envolvidos foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil de Ouricuri. Eles confessaram os assaltos realizados a transeuntes, em farmácias na cidade de Ouricuri e um arrombamento a uma loja de revenda de celulares em Bodocó.

Fonte: Blog Ouricuri em Foco

ESPORTE: Vascaíno perde ação na justiça


Sócio, torcedor reclama na Justiça indenização por danos morais diante da situação do clube, e veredicto no TJ-RJ vem acompanhado de citação indireta ao Flamengo.

O torcedor do Vasco, Fábio de Souza Lobo, perdeu uma ação no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro em que pleiteava indenização do clube por danos morais após o segundo rebaixamento para a Série B. O juiz responsável pelo caso, Richard Roberto Fairclough, usou ironia na sentença e sugeriu que o advogado carioca trocasse de time caso não quisesse ser "motivo de chacota".

O despacho foi no Juizado Especial Cível de Itaguaí, região metropolitana do Rio de Janeiro e está registrado sob o número 0002387-23.2014.8.19.0024.

ELEIÇÕES 2014: Porque Dilma deu um passo imenso à vitória no debate de ontem


Para desespero dos "punhos de renda" - que acham que o debate de ontem foi "uma baixaria" (e é claro que todos gostaríamos de ter uma campanha desenvolvida no campo das idéias, apenas) - lamento informar que Dilma Rousseff deu um passo imenso para vencer a disputa eleitoral.

Tirou Aécio Neves do papel que ele vinha buscando para proteger-se de suas fraquezas morais e administrativas: o de tadinho, vítima de agressões e evidenciou que, apesar da carinha bem escanhoada, é um homem incapaz de reagir com equilíbrio e, diante dos questionamentos (aliás, irrespondíveis) sobre fatos, foge para desculpas formais e invoca os outros ("não ofenda os mineiros") como biombo.

É "bonito" tratar dos problemas reais (dos outros) na base do "vossa excelência pra cá, vossa excelência pra lá", como definiu muito bem, nos anos 60, o velho Leonel Brizola quando se referiu ao "clube amigável do Congresso". Mas, na vida de verdade, ninguém pode ficar "apanhando" todo o tempo sem uma reação que vá além do estritamente "racional" e, depois de muito evitar, aceite o "barraco".

E absolutamente coberta de razão, como está Dilma.

Porque a direita brasileira, e já lá se vai mais de um ano, invocou todos os demônios e baixarias contra ela (veja como eles fogem de fazer isso com o Lula) e se lambuzaram em grosserias. Ou que nome merece mandar uma mulher, Presidenta da República ir "tomar no ..." na abertura da Copa do Mundo?
Se faltou algo no desempenho de Dilma, foi, talvez, explicitar isso numa fala daquela tipo "mãos nas cadeiras" e dizer, "bom, menino, você pediu, me chamando de tudo o que você sabe que eu não sou, de tolerante com a corrupção ou até corrupta, agora aguente".

Mas isso, como dizem os franceses vai "sans dire", vai sem ser dito.
A construção da direita era fazer de Dilma (e fazendo de seu governo fazia dela), uma mulher abatida, incapaz de se defender e afirmar sua autoridade. Uma mulher que, "ao ser abandonada por Lula", não sabia se defender, reagir e tomar a ofensiva.

Lula, esperto e matreiro, soube "dar um tempo" para Dilma produzir sua própria reação e não ficar naquela de "fraquinha, protegida pelo irmão".
Escrevam por ai como, a partir de hoje, ele vai subir o tom.

Reparem como o discurso conservador encontrou em Marina Silva e suas hipocrisias de "os melhores dos melhores" e do "poder pelo poder" o discurso xoxo que ocultava o fato de ser "de todos", tem que compreender que está dividido socialmente, como é dividido o caminho que tem à sua frente: ser, de novo, uma dócil colônia ou ser, cada vez mais, uma grande nação.

Somos civilizados, democratas e jamais houve neste país, tanta liberdade de opinião.
Exceto em um lugar que, salvo nos raros momentos de embate eleitoral, o pensamento progressista nunca tem voz: os meios de comunicação.

Aécio, tão acostumado a poder dizer, sem respostas, os seus desaforos e a tratar as mulheres como "peruas" sem voz própria, achou uma encrenca pela frente.

E como todo machão é essencialmente um covarde, vai ficar cada vez mais perdido em suas pantomimas de se dizer "agredido".
É, para lembrar o verso de Geraldo Vandré, "a volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar".

Fonte: Tijolaço.com

POLÍTICA: Liderados de Inocêncio Oliveira decidem desagravar o “chefe”


Deputados, prefeito, ex-prefeitos e vereadores do PR, programaram para esta sexta-feira (17), um ato de desagravo ao deputado federal Inocêncio Oliveira por ter sido destituído da presidência regional do partido por insubordinação partidária.

O ato aconteceu nesta manhã no "Boteco" do Recife Antigo sob a coordenação do deputado estadual reeleito Alberto Feitosa.

Inocêncio perdeu a presidência do partido para o também deputado federal Anderson Ferreira por ter decidido apoiar a candidatura do senador Aécio Neves (PSDB)

No plano nacional, o PR está aliado ao PT e apoiando a reeleição da presidente Dilma Rousseff.

Fonte: Blog do Inaldo Sampaio

MEIO AMBIENTE: O nim indiano: um problema para a Caatinga


A árvore 'nim' (nome científico) Azadirachta indica A. Juss.) é uma espécie exótica, originária do sul da Ásia. Na Índia, é bastante utilizada por adeptos da fitoterapia por possuir propriedades farmacológicas. A planta foi introduzida no Brasil na década de 1980, com o intuito de trabalhar como um pesticida "natural" em lavouras, mas se tornou uma planta com alto poder de toxicidade para a biodiversidade das Caatingas. Tem sido bastante utilizada, especialmente na região do Vale do São Francisco e Região do Araripe, no paisagismo urbano de ruas e calçadas.

O que poucos sabem, é que o 'nim, somente pelo fato de não ser uma espécie nativa do Brasil e muito menos da Caatinga, já representa uma ameaça real a nossa biodiversidade. Ela tem se adaptado com sucesso ao clima semiárido, respondendo bem até quando não recebe água regularmente. Isto se deve ao fato da árvore conseguir acessar a água nas camadas mais profundas do solo, com seu sistema radicular eficiente. Possui crescimento relativamente rápido, fornecendo sombra com poucos meses após o plantio. O crescimento rápido, a copa vistosa e o perfume de suas florem tem convencido cada vez mais os moradores a plantarem o 'nim' em suas calçadas.

Um estudo realizado na Índia em 2013 faz um relato de caso de um humano que foi intoxicado após ter ingerido uma quantidade de 20 ml de óleo de 'nim', inclusive um dos sintomas foi a perda da consciência e convulsões. Um experimento com ratos concluiu que o 'nim' foi responsável pela perda da capacidade reprodutiva temporária após a inserção do extrato do 'nim'.

Um dos principais problemas causados pelo 'nim' é o efeito de seu principal princípio ativo: a Azadiractina. É uma substância comprovadamente inseticida. Possui efeitos sobre a reprodução de insetos nativos, inibindo sua a reprodução. Particularmente, as abelhas nativas, que são de extrema importância na polinização das flores da Caatinga. A abelha mandaçaia está sendo dizimada no momento que visita as flores do 'nim' e são contaminadas pelo seu pólen tóxico. É importante lembrar que a mandaçaia e várias outras abelhas nativas da Caatinga são responsáveis também pela polinização de várias culturas agrícolas praticadas no Vale do São Francisco e Região do Araripe que já sofrem com o uso abusivo de agrotóxicos. Em consequência da polinização comprometida há uma sensível diminuição na produção de frutos que são comercializados pelos agricultores.

Neste sentido, propomos a substituição do 'nim' por árvores nativas do bioma Caatinga, na arborização da cidade. Muitas espécies da Caatinga são capazes de oferecer sombra em nossas calçadas, e ainda não oferecem risco à encanação, pois possuem raízes pivotantes, que crescem verticalmente. A substituição não deve ser súbita. À medida que a espécie nativa for crescendo, uma poda preventiva pode ser realizada no 'nim'. Assim você não ficará sem sombra.

Vamos ajudar o nosso BIOMA! A Caatinga precisa da ajuda de todos nós. E esta é uma forma simples e objetiva de você contribuir com a natureza. Para você que se interessou pela proposta, as mudas de espécies de árvores nativas do bioma Caatinga podem ser obtidas gratuitamente no Centro de Referência para Recuperação de Áreas Degradadas da Caatinga (CRAD), que está localizado no Campus de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Vale do São Francisco. O fone para contato é (87) 2101-4823.

Agende sua visita e plante sua muda!

José Alves de Siqueira Filho

Fonte: Blog do Banana